Adama participa do 2º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio

Companhia é patrocinadora da pesquisa “Todas as Mulheres do Agronegócio”

Londrina, 17 de outubro de 2017 - Segundo dados do estudo O Estado da Alimentação e da Agricultura no Mundo, divulgado pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), 43% dos trabalhadores rurais dos países em desenvolvimento são mulheres. Mesmo com este número significativo, a parcela feminina que atua no setor enfrenta, diariamente, desafios e barreiras estruturantes, como o acesso a crédito, terras e insumos.

Para promover a discussão acerca do papel da mulher no campo, os avanços obtidos e as dificuldades ainda encontradas, cerca de 800 mulheres líderes e empreendedoras do agronegócio estarão reunidas em São Paulo para o 2º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio.

Em 17 e 18/10, serão realizadas palestras, workshops e debates sobre criatividade, agricultura digital, tecnologia, empreendedorismo, cases de sucesso e liderança feminina. "A presença da mulher no agronegócio já é uma realidade que vai além da questão de igualdade de gêneros. Desde o número crescente de mulheres nas turmas de agronomia nas faculdades até a presença de empresárias de sucesso no setor revelam um novo cenário e é muito importante conhecermos melhor essa realidade até então predominantemente masculina", diz Lydia Damian, gerente de Comunicação da Adama.

A Adama é patrocinadora da segunda edição da pesquisa "Todas as Mulheres do Agronegócio", que traça o perfil das mulheres no segmento e indica as tendências sobre a influência da presença feminina no setor. Neste ano, mais de três mil pessoas foram ouvidas.

"A pesquisa nasceu no primeiro congresso, com uma amostragem menor e agora fomos mais capilares, para identificar aspectos mais amplos da visão do agro sob o ponto de vista da mulher", explica José Luiz Tejon, um dos responsáveis pela pesquisa. "Teremos no congresso a apresentação, em primeira-mão, do resultado da pesquisa sobre as mulheres do agronegócio’, realizada pela ABAG (Associação Brasileira do agronegócio), e o IPESO (Instituto de Pesquisa, de Victor Trujilo)", completa.