mãos segurando plantas daninhas

Entenda como fazer o controle de plantas daninhas

Um dos grandes desafios do produtor no dia a dia no campo é fazer o controle de plantas daninhas. Isso, porque essas costumam ser espécies mais resistentes do que os cultivos e com um alto grau de disseminação, podendo infestar toda a lavoura em pouco tempo.
mãos segurando plantas daninhas

Esse tipo de problema pode acontecer em qualquer lavoura, sendo que existem plantas que podem trazer mais prejuízos para um determinado cultivo. Na cultura de soja, por exemplo, é bastante comum a ocorrência de capim-amargoso, capim-pé-de-galinha, amendoim-bravo e buva.

Porém, com boas práticas e estratégia, é possível controlar e evitar a infestação. Neste artigo, você confere algumas técnicas para conter as plantas daninhas e garantir que seus cultivos tenham um bom desenvolvimento e produtividade!

Por que fazer o controle de ervas daninhas?

Uma das principais práticas no manejo da lavoura — e que não é novidade para os produtores — é o controle de plantas daninhas. São classificadas dessa forma todas as espécies que se desenvolvem em um local e momento indesejados. Esse grupo de plantas, que também podem ser chamadas de infestantes, invasoras, mato ou ervas daninhas, reúne algumas características.

Geralmente, são espécies com um ciclo de desenvolvimento acelerado, germinando, crescendo e florindo em pouquíssimo tempo. Também costumam produzir um número elevado de sementes, o que contribui para que se disseminem com uma alta velocidade e de maneira muito fácil.

A infestação é favorecida, ainda, pelo fato de essas espécies resistirem bem às variações do ambiente. Isso acontece porque o seu sistema radicular é muito abundante, proporcionando a elas uma grande capacidade de absorver a umidade e os nutrientes do solo. 

Com todas essas informações, fica fácil entender a importância de se fazer o controle de plantas daninhas. 

Afinal, em poucas semanas, elas podem invadir toda a lavoura, competindo com o cultivo por espaço, luminosidade, nutrientes e água. Por serem mais resistentes, tendem a sobressair. Além disso, algumas liberam substâncias tóxicas no solo, que prejudicam o desenvolvimento da cultura. 

Todos esses impactos negativos afetam a produtividade e reduzem a qualidade dos produtos colhidos, além de levar a uma maturação desuniforme, causando dificuldades na hora da colheita.

Não podemos esquecer, também, que o manejo de plantas daninhas evita que pragas e doenças consigam sobreviver aos períodos de entressafra. Com isso, o produtor alcança um controle fitossanitário muito mais eficaz.

Quais são as melhores técnicas para fazer o controle de plantas daninhas?

Existem diversas técnicas que podem ser utilizadas com as plantas daninhas. Elas envolvem desde ações simples, como a limpeza do maquinário, até o tipo de plantio adotado e a rotação de culturas. Saiba mais a seguir!

Mecânico

Na técnica mecânica, o controle de plantas daninhas pode ser realizado por meio da roçada. No entanto, como acontece com a técnica manual, geralmente, isso é realizado em propriedades menores, uma vez que sua eficiência é limitada. Em grandes dimensões, pode exigir muito tempo.

Cultural

Essa técnica é composta por diferentes práticas que podem ser aplicadas isoladamente ou de forma associada. A rotação de culturas é uma delas, pois ajuda a alterar o ambiente e possibilita rotacionar, também, os tipos de herbicida que são aplicados. Assim, minimizamos as chances de resistência da espécie infestante.

Associado a ela, o produtor pode adotar o sistema de plantio direto. Dessa forma os herbicidas são aplicados na fase de pré-plantio para fazer o controle de plantas daninhas por meio da dessecação, formando a palhada. Essa cobertura evita que algumas espécies invasoras emerjam.

Mais uma estratégia no controle cultural é escolher espécies de cultivo que estejam bem adaptadas à região da propriedade. Deve haver um cuidado na densidade da lavoura, mantendo um bom espaçamento entre as plantas, além de planejamento da época de plantio.

Preventivo

A prevenção é uma excelente estratégia no controle de plantas daninhas. Ela é realizada por meio da limpeza do maquinário e seus implementos, a fim de eliminar sementes e outras partes dessas plantas, que poderiam retornar ao campo e reiniciar o ciclo de infestação. O uso de sementes certificadas é mais uma alternativa.

Químico

O controle químico de plantas daninhas é muito praticado em função da sua eficácia e por ser aplicável tanto em pequenas propriedades quanto nas de porte maior. Ele é realizado com a aplicação de herbicidas em um determinado estágio de desenvolvimento das espécies invasoras.

Essa técnica é uma grande aliada principalmente quando as infestações são maiores, apresentando uma excelente eficiência. Isso ocorre porque ela consegue interromper a competição logo no início da cultura, permitindo, inclusive, fazer o controle de plantas daninhas em períodos de maiores precipitações, quando a técnica mecânica não apresenta uma boa eficácia.

Outra grande vantagem do controle químico é o fato de não provocar danos para a raiz da cultura, bem como de não desorganizar o solo. Além disso, os resultados são vistos em pouco tempo, e a aplicação do produto é rápida, aumentando a produtividade.

No entanto, o produtor precisa ficar atento na hora de escolher o defensivo que será aplicado, pois é fundamental analisar se o princípio ativo é indicado para a espécie invasora que está infestando sua lavoura.

É necessário, ainda, ter atenção nas aplicações, uma vez que elas precisam acontecer em um momento específico de desenvolvimento das plantas daninhas. Do contrário, a técnica pode ser ineficiente ou exigir um maior número de aplicações, o que tem como consequências negativas o aumento de custos e o risco de desenvolvimento de resistência.

Associado ao controle de plantas daninhas, o produtor precisa adotar técnicas de manejo para evitar a infestação de pragas na lavoura. Assim, é importante combinar o uso de defensivos herbicidas e inseticidas, para que nenhum desses problemas prejudique o desenvolvimento da cultura, reduzindo sua produtividade e o lucro da propriedade.